Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

Sandro

Enquanto Sandro agradecia pelo contato da cliente e desejava uma ótima noite com um sorriso na voz, rabiscava um pequeno pedaço de papel e pensava em quando as coisas tinham mudado daquele jeito. Pensava em onde teria ido aquela ânsia que sentia antes pela vida, uma ardência que culminava muitas vezes no sexo e em vastas comparações entre o orgasmo e a morte. Coisas que ele vivia. Coisas que ele escrevia e agora nada. Foi rapidamente ao banheiro, falou um “até amanhã” mecânico a todos que encontrou pelo caminho, passou a digital no ponto eletrônico e logo saiu do contact center e foi à parada que por sorte ficava logo ali na frente. O pensamento e a busca pela força vital que achava ter perdido estavam na cabeça quando alguém anunciou um assalto e ele rapidamente deu o celular, se sentindo aliviado por ter perdido apenas isso e foi quando percebeu. Aquele eu que ele viu perdido tinha 17 anos. Aquele eu foi morrendo aos poucos por dez anos até ser ele agora. Mas como, foi ontem?! Agora…

Últimas postagens

[PODCAST] Sombra na estante #1

Considerações sobre “Arrival” (2016)

camadas

[RESENHA] "É agora como nunca: antologia incompleta da poesia contemporânea brasileira" organizada por Adriana Calcanhotto

Foto: correntes, prisões e liberdade

Considerações sobre "Moonlight"

o que não é um poeta?

Sabrina

redenção

[RESENHA] “Meia-noite e vinte” de Daniel Galera